Todas as mãos no convés: desigualdade de riqueza, uma visão bíblica?

As pessoas, às vezes, acham difícil acreditar que exista uma “desigualdade de riqueza”. Especialmente vivendo nos EUA, onde existe o estigma de que “se você trabalhar duro, terá o que deseja”. Sinceramente, acho isso muito irritante e enganador. Primeiro, a ideia de que, se você trabalha duro pode ter o que quiser, leva as pessoas a vidas repletas de ocupação e estresse, e compromete um tempo precioso que poderia ser gasto com familiares e entes queridos. Em segundo lugar, há uma tonelada de pessoas no mundo trabalhando muito duro (às vezes 2 a 3 empregos) e que continuam apenas conseguindo colocar comida na mesa e pagar as contas essenciais. Claro, não estou dizendo que trabalhar duro não é uma coisa boa, e eu sei que mães e pais solteiros trabalham duro todos os dias para sustentar suas famílias. Mas o que estou dizendo é que é aborrecedor ouvir alguém dizer que os sem-teto estão desabrigados porque querem, ou que os pobres são pobres porque não trabalham “o bastante”. Essa noção é irritante e uma falácia de fatos sociológicos, antropológicos, teológicos e econômicos.

Neste post, quero falar sobre a desigualdade de riqueza nos EUA e ver o que a Bíblia diz sobre tal coisa (se é que diz alguma coisa).

Primeiro, temos que começar com a questão: o que é a desigualdade de riqueza? Ela realmente existe? com o que a desigualdade parece? Desigualdade de riqueza é a ideia de que uma pessoa pode ter mais riqueza do que outra devido à sua raça ou etnia. Nos EUA, é com certeza o produto dessa lacuna racial que existe. Isto não é um segredo, ou algo novo, famílias brancas (goste ou não) estatisticamente têm mais riqueza do que famílias negras e latinas. Estudo após estudo mostra isso em detalhes. Assim, uma mãe solteira latina (ou negra), com uma riqueza média de 10 a 12 vezes menor do que sua contraparte branca, terá um caminho mais difícil pela frente.

Em segundo lugar, é importante definir a riqueza em si. Naturalmente, para os muito ricos, um salário de US $ 400.000,00 por ano é um enorme corte salarial, mas para pessoas como você e eu, um salário como esse é um grande aumento. A riqueza não é dinheiro em si, mas é o que permite que as famílias aproveitem os benefícios econômicos existentes e tenham a capacidade de fazê-lo quando necessário. Entender a diferença entre riqueza e renda é uma necessidade sociológica para entender o que é a desigualdade de riqueza.

Em terceiro lugar, para começar a encontrar soluções para este problema, nós, pelo menos, precisamos reconhecer que existe. As pessoas acham muito desconfortável falar sobre raça e dinheiro, mas não podemos falar sobre a desigualdade de riqueza sem ter essas discussões difíceis. De políticas governamentais para ajudar os pobres a economizar ou adquirir propriedades, a igrejas ajudando as famílias a progredirem com uma sacola semanal de alimentos, precisamos de uma abordagem mais abrangente para aliviar a desigualdade.

Então, o que a bíblia pode dizer sobre esse problema? Há dois conceitos bíblicos que quero destacar:

  • Primeiro, a concepção cristã da trindade é um bom modelo para entendermos o aspecto relacional de Deus. Se entendermos que Deus é inerentemente um ser relacional, então nós, como parte da criação de Deus, também somos inerentemente relacionais. A quebra de nossos relacionamentos como seres humanos é o que levou às lacunas que existem em nossas sociedades hoje. De sistemas políticos quebrados beneficiando a elite, a relações quebradas que se aproveitam dos outros de uma forma ou de outra, nossa relacionalidade havia sido comprometida. Isto é verdade para a desigualdade de riqueza. Em essência, Deus só pode ser amor se Deus existir em relação, e só podemos demonstrar esse amor se seguirmos o mesmo padrão relacional, talvez este seja o significado real em 1 João 4: 8.

 

  • Segundo, há a visão bíblica do jubileu, que também pode ajudar nesse assunto. Se entendermos que Deus é relacional e que, em última análise, fomos criados para estar em relação uns com os outros, então, sob esse conceito, o jubileu como modelo econômico faz todo o sentido. Além de outras tradições antigas do Oriente Próximo, o jubileu foi planejado por Deus para eliminar a lacuna criada pela desigualdade de riqueza entre o povo de Deus. Por exemplo, Levítico 25: 35-39 proíbe tirar proveito das pessoas enquanto elas estão em dificuldades financeiras. Um conceito que a maioria das instituições financeiras hoje ignora. O jubileu é também um modelo que pode deslocar a conversação da dívida e da desigualdade para um território desconhecido, particularmente para países que sofreram abusos e esmagamento de recursos naturais por séculos e ainda têm “dívidas” para os mesmos países que os exploraram no primeiro.

 

Esses dois conceitos bíblicos podem nos ajudar hoje a entender melhor como aliviar essas lacunas de riqueza e pobreza em nossas comunidades. Isso é especialmente útil para as igrejas nos EUA, que às vezes procuram ser rápidas para “resolver” os problemas de pobreza de suas comunidades, sem entender o motivo ou as consequências de suas ações no longo prazo. Ajudar os pobres e eliminar as lacunas de riqueza é uma coisa complicada, e devemos ter o cuidado de não julgar as pessoas (como os sem-teto) sem entender o que as colocou nessa posição, e como podemos ser mais eficazes. para colocá-los em plena comunhão com Deus e com os outros, à medida que saem de suas atuais dificuldades.

 

Definir a desigualdade de riqueza não é um mero exercício acadêmico para nós aqui na Saving For Hope. A razão pela qual fazemos isso é porque acreditamos que a educação financeira (especialmente entre os jovens) é uma grande parte da solução para a desigualdade de riqueza, pobreza e restrição financeira. Precisamos de todas as mãos no convés, de políticos, profissionais, igrejas, para falar e trabalhar para eliminar a pobreza em todas as suas formas. Aja hoje. Aprecie!

Read this article in English HERE.

_______________________________________

Alana Barros Santos, a contributor to this blog, serves as a Portuguese translator for Saving For Hope.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *